Ouçam o novo EP dos BOX 2 BOX

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Porque vou a mais uma manif no sábado.



Vocês pensam que o actual quadro partidário é a favor de mais e melhor cidadania ? Se eles não "tiveram tempo" para isso em quase 40 anos de Democracia acham que terão isso como prioridade nos anos mais próximos ?

A actual conjuntura , em parte fabricada, em parte aleatória, em parte virtual, deu uma excelente desculpa para a Democracia ser ainda mais suspensa (coisa que já tinha escapado dos lábios de uma conhecida estadista).

De facto ela está tão "suspensa" que o cidadão comum tem cada vez mais dificuldade em lhe chegar. A coberto de uns média manietados, comprados, ou claramente tendenciosos (basta ver a "não cobertura" do caso Islandês, os habituais carimbos de populista pespegados a todo o tipo de movimentos que não possuam chancela partidária, mesmo aqueles que claramente não o são, pelos princípios por eles enunciados, mas sobretudo pelo seu modus operandi).

E aí reside o grande medo deste complexo político - corporativo - financeiro ó mediático, que surjam de facto movimentos que possuam na sua orgânica processos realmente democráticos e horizontais. O recente movimento "5 estrelas" em Itália é disso claro exemplo, independentemente se irá medrar ou não, o mote está dado.

As inovações internas do "5 estrelas" não o safaram no entanto dos habituais mimos, que pasme-se, são reproduzidos de forma e pintura institucional pelos média:

- "...movimento populista do comediante italiano..."

De facto, é perfeitamente casual este bater de tecla, que tanto jeito dá, no "comediante" e no "populista".

Voltando à manif deste sábado. Esta foi de novo convocada por movimentos de cidadãos , com um ou outro apoio tímido ou quase envergonhado, dos "situacionistas" do costume. Para estes movimentos também já há um nome giro, são "inorgânicos" , nome que é tudo menos inocente, e que visa mais uma vez o descrédito de tudo que fuja às máfias politiqueiras.

Ora bem este ser orgânico mais uma vez sairá à rua. Porquê ? Porque acredito que o povo não têm dono ! Porque acredito que não sendo nada eternamente perfeito , eternamente nos devemos tentar melhorar.

Essa é a utopia democrática! As utopias constroem-se, não são meramente vertidas em constituições, estatutos ou leis de toda a espécie, das quais meramente as instituições e partidos serão os fiéis depositários.

Este é o engano que nos querem vender. Seguindo uma vulgar estratégia comercial, os partidos querem passar a ideia que sem eles não há Democracia, que nós precisamos deles para que nos governem e defendam. Porque eles é que "têm aqueles senhores que percebem" , como muitas vezes ouvimos das bocas mais insuspeitas...

Os partidos FORAM uma fase da Democracia, em boa verdade estão mortos há muito, tomados por dentro por todo o género de parasitas, exportando para o exterior todo o tipo de "comentadores de serviço" , directores disto ou aquilo, assessores disto ou aquilo, intoxicando a sociedade com as suas lógicas maniqueístas, clientelistas e corporativas.

O grande problema é que estes senhores da agiotagem partidária se uniram para blindar a sua posição e influência. Vejam o recente e anedótico caso dos mandatos autárquicos em que TODOS eles concordaram manter o status quo, que permite que vermes como Isaltinos, Avelinos, Fátimas e Loureiros se eternizem no nosso poder local.

Há forças vivas na sociedade. Há boas cabeças e malta competente e honesta, que foram varridas da quase generalidade dos cargos públicos deste país por não encaixarem na lógica desta ou aquela capela. E isto é geracional e cultural ! Ocorre desde a associação bairrista às mais altas instâncias do Estado.

Reparem que eu nem falei do actual governo. Não é apenas isso que justifica a nossa saída para as ruas neste sábado. O que justifica é tudo isto que aqui falei mais aquilo que tu, tu e tu podem acrescentar como cidadãos.

Porque não se esqueçam, não somos "inorgânicos" , somos seres vivos com capacidade para pensar e agir, individual e colectivamente.

@manuel tavares 27/02/2013

Sem comentários:

Enviar um comentário