Ouçam o novo EP dos BOX 2 BOX

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Paulinho no país do Chop Suey...




Paulinho no país do Chop Suey...





Isto é tão interessante visto de tantos prismas diferentes que nem sei por onde começar...

Primeiro - O PC nacional nunca mais vai conseguir dirigir-se da mesma forma ao afinal amigo Portas.

Segundo - O Jerónimo nunca perdoará o Portas ter estado mais de uma hora com os dirigentes do PC Chinês quando eles próprios ainda não conseguiram estar com o Portas este ano mais que 15 minutos.

Terceiro - Nunca o PC português foi recebido na sala com o quadro da muralha da China. Era sempre no quarto dos fundos da secção dedicada aos PC ocidentais...Coisa pequena, a cheirar a crepes fritos e Chop Suei de porco agri-doce visto estar colado à cozinha, e ainda tinham de gramar com o barulho dos cozinheiros a ouvir TV portátil nas alturas (com aquelas coluninhas de cana rachada), aos berros nos jogos de cartas e com os telemóveis Chung Chunga a fazer ruidinhos "biposos" extremamente irritantes a cada saltinho que davam no jogo de plataformas Mário Chinga Pong... Tudo isto enquanto salteavam rebentos de soja com o gato Gaspar do Honório Novo (pois é Honório...eu bem te avisei para não o levares na viagem, e não insistas comigo que ficou extraviado na escala no Afeganistão porque se apaixonou por uma gata de Burka, isso é muito elaborado e tu sabes bem que sim!! Conta essas estórias ao Gaspar das finanças para ele não te taxar mais por agora teres menos um dependente a teu cargo).

Em quarto lugar o Portas também nunca mais será o mesmo... Está agora aberta uma imensa janela de oportunidades...Imaginem todas as feiras do Alentejo a que ele nunca teve coragem de ir... Todas aquelas simpáticas velinhas alentejanas recebendo o ministro agora de cravo na lapela, chapéu à Mao e tentando simpaticamente comer açorda de pauzinhos...

Quinto - O BE terá de trocar lugar com o CDS na assembleia da república . Afinal não se justifica que o partido de Portas esteja mais próximo do PC chinês com o PC português ali tão perto, e afinal, mesmo defendendo muitas vezes ideias semelhantes, aquela malta do BE e PC nem sequer um olhar trocam ou aplaudem a mesmíssima coisa que vão dizendo à vez...

Sexto - O PSD tem obviamente um problema... Como explicar à TROICA que o CDS, parceiro de governo, é amigo e mantém relações institucionais com um Partido Comunista? 

Sétimo - Os alarmes tocam em Bruxelas! As reuniões à porta fechada sucedem-se perante este novo facto preocupante chegado dos irredutíveis lusitanos...Os juros disparam, as contas derrapam e as empregadas não consegue substituir a tempo e horas os rolos de papel higiénico nos WC do parlamento Europeu... Em Portugal trocados os lugares no parlamento nacional ficou tudo na boa...PS e PSD decidiram partilhar bancadas para não serem apanhados desprevenidos por alguma reportagem da TV de última hora que mostre demasiados lugares vazios numa ou outra bancada. Afinal o pessoal mal conhece os líderes dos grupos parlamentares quanto mais os deputados. O PC e CDS ultimamente mal se vêm porque passam a vida juntos nas touradas em Barrancos ou nas coutadas do baixo Alentejo na caça ao gato, que isto de ser amigos do PC Chinês tem o seu custo em víveres e sempre fica mais barato que lhes enviar porco preto.

Oitavo - Portas eu sabia que um dia ias revolucionar o panorama político nacional...agora que tal sucedeu o horizonte é o limite...Vejo o Durão muito crispado ultimamente, e dado que és o Master dos Sorrisos "Amarelos" e agora por eles também agraciado o futuro da tal cadeirinha será certamente teu...Até porque o credor precisa sempre de um representante de confiança junto dos devedores, mas que pelo seu aspecto e maneiras esconda seu verdadeiro dono de forma a não ferir os orgulhos da velha senhora Europa ;-)

© Manuel Tavares


Partido Comunista agradado com Paulo Portas
por João Céu e Silva, enviado à ChinaHoje

O responsável do Partido Comunista Chinês só recebeu Paulo Portas após o CDS/PP ter estabelecido relações com o seu partidoFotografia © João Céu e Silva
Paulo Portas e o Partido Comunista sempre estiveram afastados mas agora, que está no Governo, esta distância diminuiu drasticamente. Tão curta ficou que ontem até foi recebido pelo responsável pelas relações políticas com dirigentes estrangeiros deste mesmo partido... Estamos a falar do Partido Comunista Chinês, claro, onde o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros esteve esta manhã, em Pequim, para se reunir com o ministro do Departamento Internacional, Wang Jiarui.
Refira-se que esta reunião só aconteceu porque o CDS/PP, numa reviravolta inaudita no conjunto de partidos políticos estrangeiros com que tem afinidades, estabeleceu recentemente relações com o Partido Comunista Chinês. Se o não tivesse feito, Paulo Portas não teria estado a conversar mais de uma hora numa sala onde um quadro com a Grande Muralha da China serviu de cenário aos dois políticos e que deu à visita oficial do ministro a estatuto político que só se verifica após ser recebido pelos dirigentes do PCC. E essa pré-condição foi logo reafirmada por Wang Jiarui que, nos cumprimentos iniciais, referiu primeiro a condição de líder do CDS/PP de Paulo Portas e só depois a de ministro.
Em seguida, o ministro do Partido Comunista Chinês repetiu a satisfação de se encontrar com o governante português, dando voz ao processo económico e de austeridade em curso e também à situação da União Europeia: "Que está numa situação muito sensível". Diga-se que todos os altos dirigentes chineses com que Paulo Portas se tem encontrado incluíram uma nota sobre a Europa logo após se mostrarem satisfeitos sobre o 'sucesso' da recuperação da economia portuguesa. Não será por acaso que tanto o vice-primeiro-ministro como o ministro dos Negócios Estrangeiros chineses vincaram a importância de a União Europeia sair da situação de crise em que se encontrava antes do último Conselho Europeu em todos os encontros com o ministro português, sendo interesse da China que esta mensagem chegue por via de um estado-membro a quem de direito.
Paulo Portas, por seu lado, sublinhou ausência de conflitos durante tantos séculos de relação entre os dois países e definiu como muito importante no quadro da recuperação e da evolução da economia portuguesa o "desenvolvimento das relações das relações entre os dois países, expresso pela presença de empresas portuguesas na China e pelos investimentos das empresas chinesas em Portugal". A reunião entre Wang Jiariu acabou por ultrapassar o tempo previsto."http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=2648980 

Sem comentários:

Enviar um comentário