Ouçam o novo EP dos BOX 2 BOX

terça-feira, 23 de outubro de 2012

O "amiguismo".






Penso que o poder de Lisboa corrompe, mas é um poder que corromperia de igual forma se estivesse localizado em Marvão ou Freixo de Espada à Cinta. 

O poder quando concentrado é sempre perigoso, e hoje é por demais evidente que o mal que provoca vai muito além das clientelas instaladas na capital. É algo que se transforma numa cultura, numa forma de estar que tudo justifica e perdoa à luz do mais elementar "amiguismo".

O "amiguismo" não tem cor, nem lei nem roque. O "amiguismo" move-se por objectivos precisos, nem sempre conscientes, mas que estão entranhados na espinha dorsal do "homo-habilis-comó-canecus", que pulula perto de tudo que cheire a protagonismo e poder.

Este "amiguismo" não está interessado no processo, na forma como os seres se relacionam, interagem e se transformam num organismo vivo e pulsante. 

O "amiguismo" só tem um objectivo, perpetuar...o "amiguismo".

© Manuel Tavares

Sem comentários:

Enviar um comentário